Acionistas da Nestlé pressionam a empresa para que ofereça produtos mais saudáveis (após o recente escândalo do açúcar)

HomeInternacional

Acionistas da Nestlé pressionam a empresa para que ofereça produtos mais saudáveis (após o recente escândalo do açúcar)

Artigo publicado originalmente em inglês

Os acionistas da Nestlé pediram à empresa para aumentar a oferta de alimentos saudáveis, após um escândalo relacionado com alimentos para bebés com elevado teor de açúcar. A resolução será votada hoje (18 de abril) na assembleia geral da empresa.

PUBLICIDADE

Um grupo de investidores da empresa, que inclui a Legal and General Investment Management (LGIM), com investimentos num total de 1,68 biliões de dólares em ativos (sob gestão), apoia a resolução que será votada na Assembleia Geral Anual da Nestlé em Lausanne, na Suíça.

“Uma vez que a Nestlé tem falhado sistematicamente em explicar como irá alterar o equilíbrio das suas vendas para opções alimentares mais saudáveis, os investidores preocupados não têm outra opção senão apresentar uma resolução na Assembleia Geral Anual da empresa em abril”, afirmou Catherine Howarth, Diretora Executiva da ShareAction, a ONG que coordenou a resolução.

No ano passado, a Nestlé anunciou novos objetivos em matéria de saúde, comprometendo-se a aumentar em 50% as vendas de produtos mais nutritivos até 2030, o que, segundo os acionistas, não é suficientemente ambicioso.

A resolução apela à definição de um objetivo internacionalmente reconhecido para reduzir significativamente as vendas de alimentos não saudáveis em todo o mundo.

Três quartos das vendas integram produtos com muito açúcar, sal e gordura

Na página da Nestlé na Internet pode ler-se que “guiados pelo objetivo da nossa empresa – melhorar a qualidade de vida e contribuir para um futuro mais saudável – estamos a concentrar os nossos esforços em assegurar que as nossas marcas de produtos permitam vidas mais saudáveis”.

Howarth explicou num comunicado de imprensa que, apesar das afirmações da empresa, três quartos das suas vendas globais são produtos não saudáveis que contêm níveis elevados de sal, açúcar e gorduras.

O apelo dos investidores surge no meio de um escândalo sobre os alimentos para bebés com elevado teor de açúcar vendidos pela Nestlé em países de baixo e médio rendimento, revelado numa investigação da Public Eye e da International Baby Food Action Network (IBFAN).

Nestlé controla 20% do mercado mundial de comida para bebés

A empresa controla 20% do mercado mundial de alimentos para bebés, que ascende a quase 70 mil milhões de dólares (656 mil milhões de euros). Nos países de baixo e médio rendimento, as marcas de alimentos para bebés da Nestlé faturaram mais de 2,5 mil milhões de dólares (2,3 mil milhões de euros) em 2022, segundo a Euromonitor.

A investigação mostra que estas marcas de alimentos para bebés promovidas como saudáveis e “fundamentais para apoiar o desenvolvimento das crianças pequenas” contêm níveis elevados de açúcar adicionado.

No entanto, a parte mais preocupante é a diferença na quantidade de açúcar nos produtos, dependendo do país, uma vez que a investigação conclui que “para a Nestlé, nem todos os bebés são iguais no que diz respeito ao açúcar adicionado”.

Produtos da Nestlé em África têm mais açúcar. Porquê?

A investigação revela que, na Suíça, a Nestlé promove os seus cereais com sabor a bolacha para bebés a partir dos seis meses de idade com a alegação “sem adição de açúcar”, enquanto no Senegal e na África do Sul, os cereais com o mesmo sabor contêm 6 gramas de açúcar adicionado por porção.

Os investigadores analisaram 115 produtos vendidos pela Nestlé nos seus principais mercados em África, na Ásia e na América Latina e descobriram que pelo menos 94% deles continham açúcar adicionado. Os investigadores determinaram a quantidade exacta de açúcar adicionado em 67 destes produtos, que, em média, era de quase 4 gramas por porção, cerca de um cubo de açúcar.

Encontraram a quantidade mais elevada – 7,3 gramas por porção – num produto para bebés de seis meses nas Filipinas.

No seu comunicado de imprensa, a ShareAction alertou para o facto de o atual modelo de negócio da Nestlé assentar demasiado na venda de alimentos não saudáveis e que “a não adaptação do atual modelo de negócio tem um custo humano”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que se evite o consumo de bebidas açucaradas e de alimentos com adição de açúcar no primeiro ano de vida.

A OMS aconselha também que o açúcar adicionado seja proibido em todos os alimentos para bebés e afirma que o total de açúcar deve ser limitado a 15% da ingestão energética.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS