Em impasse com o governo, 3 categorias devem entrar em greve em abril

HomeInternacional

Em impasse com o governo, 3 categorias devem entrar em greve em abril

Se confirmadas as adesões, número de setores do funcionalismo público com alguma paralisação em 2024 chegará a 15

Mais 3 categorias do funcionalismo público planejam entrar em greve neste mês de abril. Se confirmado, o número de setores com alguma mobilização ou paralisação em 2024 chegará a 15. As manifestações ocorrem por falta de negociação de reajustes e mudança nos planos de carreira.

Funcionários federais da educação básica, profissional e tecnológica dos Institutos Federais vão aderir ao movimento de paralisação geral a partir da 4ª feira (3.abril.2024). Ainda, professores das universidades federais também entrarão em greve em 15 de abril. A informação é da Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais).

Os funcionários dos Correios vão decidir na 4ª em assembleia se entram em paralisação geral. Se aprovada, a greve tem início já no mesmo dia. Os funcionários pedem abertura de concursos públicos, melhoria nas condições de trabalho e cumprimento de acordo coletivo firmado em novembro de 2023, segundo a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em empresas de Correios e Telégrafos e Similares). Eis a íntegra do documento assinado na época (PDF – 176 kB).

Conforme a Fonacate, 16 categorias de funcionários públicos federais estão em paralisação ou operação-padrão. O termo é utilizado para se referir, no meio sindical, ao aumento de procedimentos burocráticos que resultam em atrasos ou redução dos serviços prestados.

Segundo as entidades, na 4ª feira haverá também uma mobilização geral de todos os sindicatos. A convocação não é obrigatória, segundo a Fonasefe. Em 17 de abril, uma marcha em Brasília deve reunir todos os setores em uma única manifestação.

Na lista da entidade, 2 negaram ao Poder360 estar em esquema de paralisação: Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e a Associação Nacional dos Membros das Carreiras da Advocacia Geral da União. Outras duas não responderam aos pedidos da reportagem. Com isso, as 3 novas categorias devem se juntar às 12 já confirmadas.

Eis os setores com previsão de mobilização em abril:

  • funcionários federais da educação básica, profissional e tecnológica dos Institutos Federais – greve a partir de 3 de abril;
  • Professores das universidades federais;
  • Correios – possibilidade de greve.

Eis os setores já com mobilização:

  • Auditores-Fiscais Federais Agropecuários – operação-padrão;
  • Susep (Superintendência de Seguros Privados) – operação-padrão;
  • Carreira de Analista de Comércio Exterior – paralisações pontuais em 8,12,17 e 18 de abril;
  • Auditores-Fiscais do Trabalho – em mobilização;
  • Carreira de Finanças e Controle (Tesouro Nacional e CGU) – em operação-padrão;
  • Carreira ambiental (ICMBio e Ibama) – paralisação;
  • Abin (Agência Brasileira de Inteligência) – mobilização;
  • CVM (Comissão de Valores Imobiliários) – em operação-padrão;
  • Técnico-Administrativos das Instituições Federais de Ensino – greve;
  • Banco Central – em operação-padrão;
  • Carreira de Planejamento e Orçamento – em operação-padrão;
  • Peritos Federais Agrários – em mobilização.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS