Julgamento de ex-policial é suspenso e remarcado para 2 de maio

HomeInternacional

Julgamento de ex-policial é suspenso e remarcado para 2 de maio

Defesa do réu alega que novos documentos foram incorporados no processo, sem que houvesse tempo hábil para analisá-los

Reprodução/”X”Julgamento ex-policial
O julgamento do ex-policial, Jorge Guaranho, é adiado para o dia 2 de maio.

O julgamento do ex-policial bolsonarista, Jorge Guaranho, no Tribunal do Júri de Foz do Iguaçu (PR), foi suspenso nesta quinta-feira (4), após a defesa do réu alegar que novos documentos foram incorporados no processo, sem que houvesse tempo hábil para analisá-los. Com isso, o júri adiou para o dia 2 de maio. O réu chegou à cidade nesta quarta-feira (3), após ficar preso desde 2022 em Pinhais, região metropolitana de Curitiba. O julgamento conta com reforço policial, conforme determinação do juiz Hugo Michelini Júnior. A previsão é que o processo dure até três dias, com a participação de sete jurados entre os 35 sorteados. No primeiro dia, serão ouvidas testemunhas de acusação e defesa. Guaranho foi acusado de matar o guarda municipal e tesoureiro do PT, Marcelo Arruda. O crime ocorreu durante a comemoração do aniversário de Arruda, morto pelo ex-policial após uma discussão na festa temática, com símbolos e imagens do PT e do atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva.

cta_logo_jp

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

Em dezembro do mesmo ano, o Guaranho se tornou réu por homicídio duplamente qualificado. A Promotoria alega que o assassinato foi motivado por razões fúteis e representou um perigo para outras pessoas presentes na comemoração. Em março de 2023, o presidente se encontrou com a família de Arruda em Foz do Iguaçu, condenando o crime e expressando solidariedade aos familiares da vítima. O Escritório Godoy Advocacia, representante da família de Arruda, espera uma sentença que sirva como exemplo para a sociedade brasileira. Enquanto isso, a defesa do ex-policial busca a absolvição do réu, alegando que ele foi vítima de agressão por parte do guarda municipal. O Guaranho perdeu o cargo público recentemente, após um Processo Administrativo Disciplinar instaurado pelo ministro da Justiça.

*Conteúdo produzido com auxílio de IA

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS