Professor negro preso em SP sob acusação de sequestro dava aula na hora do crime, diz escola

HomeÚltimas Notícias

Professor negro preso em SP sob acusação de sequestro dava aula na hora do crime, diz escola

Um professor negro foi preso, na terça-feira (16), na cidade de São Paulo, sob acusação de ter participado de um roubo e sequestro em outubro de 2023, em Iguape, no litoral paulista.

Segundo a defesa de Clayton Ferreira Gomes dos Santos, no entanto, ele estava dando aula no dia e no horário do crime, em 31 de outubro de 2023. Na ocasião, uma idosa de 73 anos teve o valor de R$ 11 mil roubados.

“Ele possui vínculo empregatício com uma escola estadual, na qual ele é professor de Educação Física. Nesta data e horário, ele estava trabalhando, seria impossível ele praticar este crime a mais de 200 quilômetros de distância”, explica o advogado Danilo Reis.

A Escola Estadual Rubens do Amaral emitiu um documento com a carga horária e folhas de ponto no mês de outubro daquele ano.

Documento da escala com carga horária e registro de ponto do professor / Reprodução

Um habeas corpus impetrado pela defesa de Clayton foi aceito, e ele deve ser solto entre esta quarta (17) e a quinta-feira (18).

A defesa do professor entende que houve preconceito racial no caso. Clayton foi preso após a vítima o reconhecer em fotos junto com fotografias de uma mulher que o docente alega não conhecer.

“É mais uma pessoa negra, de poder aquisitivo baixo, que é reconhecida fotograficamente. Primeiro é encarcerada para depois se decidir a culpabilidade”, aponta o advogado.

A defesa diz que, por não ter acesso por completo ao inquérito policial, não há informações sobre como a foto de Clayton foi parar no banco de dados da Polícia Civil. O professor não tem antecedentes criminais.

Confira nota da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo:

“O caso é investigado pela Delegacia de Iguape, que identificou, após trabalho de polícia judiciária, o homem citado como suspeito de um roubo no município, em 31 de outubro de 2023, quando uma mulher de 73 anos teve o valor de R$ 11 mil subtraído. A vítima reconheceu o suspeito e uma mulher como autores do crime.

A autoridade policial da delegacia reuniu o conjunto probatório e representou ao Judiciário pela prisão temporária dos investigados. O MP manifestou parecer favorável ao pedido, que foi concedido pelo juiz. O homem foi preso na manhã da terça-feira (16) após mandado policial, na zona sul da Capital, e a Justiça confirmou a prisão na audiência de custódia. Qualquer denúncia de irregularidade pode ser notificada à Corregedoria da Polícia Civil.”

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS