Reportagem vê sinais de participação russa em misteriosa doença de autoridades do EUA

HomeEconomia

Reportagem vê sinais de participação russa em misteriosa doença de autoridades do EUA

Uma doença misteriosa que afetou diplomatas americanos nos últimos anos foi ligada a uma unidade de inteligência russa. Funcionários estacionados em todo o mundo e diagnosticados com a chamada “síndrome de Havana” relataram sintomas inexplicáveis, como tonturas. Moscou negou as acusações.

Eles podem ter sido alvo de um armamento sônico russo, de acordo com uma investigação conjunta do The Insider, Der Spiegel e do telejornal 60 Minutes, da CBS.

Autoridades americanas disseram anteriormente que era improvável que uma potência estrangeira fosse culpada pela doença, mas numa avaliação dos “incidentes de saúde anômalos” que foi entregue no ano passado eles não ofereceram nenhuma explicação alternativa.

Continua depois da publicidade

O fenômeno leva o nome da capital de Cuba, Havana – onde o primeiro caso foi detectado em 2016 -, embora o novo relatório sugira que os primeiros casos podem ter acontecido na Alemanha dois anos antes. Outros casos foram relatados em todo o mundo, de Washington à China.

Mais de 1.000 relatos da misteriosa doença foram feitos, com dezenas de casos ainda considerados oficialmente inexplicáveis. Os legisladores dos EUA já aprovaram uma legislação destinada a apoiar as vítimas. Os funcionários americanos atingidos pela doença – incluindo alguns designados pela Casa Branca, CIA e FBI – se queixaram de tonturas, dores de cabeça, dificuldade de concentração e um som intenso e doloroso em seus ouvidos.

Arma de micro-ondas

Há muito tempo há uma suspeita de que os afetados tenham sido atingidos por energia direcionada ou micro-ondas disparadas de dispositivos ocultos – uma possibilidade que foi reconhecida em um relatório anterior da inteligência dos EUA.

A nova investigação da mídia alega que membros de uma unidade específica de inteligência militar russa – conhecida como 29155 – podem ter visado os cérebros de diplomatas dos EUA com armas de “energia direcionada”.

A investigação jornalística diz que há evidências de que os membros da unidade estavam em cidades ao redor do mundo em momentos em que o pessoal dos EUA relatou incidentes. A unidade secreta realiza operações no exterior e tem sido associada a incidentes, incluindo a tentativa de envenenamento no Reino Unido em 2018 de Sergei Skripal, um ex-espião russo.

Em resposta à investigação da mídia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que  “ninguém nunca publicou ou expressou qualquer evidência convincente dessas acusações infundadas em qualquer lugar. Então, tudo isso não passa de acusações infundadas.”

Uma vítima da síndrome – um agente do FBI – contou ao 60 Minutes sobre sua experiência de ser atingida por uma força poderosa em sua casa na Flórida em 2021.”Bam, dentro da minha orelha direita, era como um dentista perfurando”, disse ela ao programa. “Aquela sensação quando ele fica muito perto do tímpano? É assim, vezes 10.” A mulher – conhecida como Carrie – disse que acabou desmaiando e, mais tarde, teve problemas de memória e concentração.

Embora autoridades americanas tenham repetido à CBS News, que é muito improvável que um adversário estrangeiro seja responsável, John Bolton, que atuou como conselheiro de segurança nacional de Donald Trump, disse que as novas alegações são “muito preocupantes”.

“Não acho que o governo, francamente, quando estive lá, levou isso a sério, o suficiente”, disse ele à CNN. “Acho que eles não levaram isso a sério o suficiente desde então.” Mas o senador republicano JD Vance, um dos principais aliados de Trump, rejeitou o relatório, escrevendo no X: “Parece que muitos jornalistas perderam a cabeça”.

Fonte: Info Money

COMMENTS