Sony e Apollo preparam proposta de US$ 29 bilhões pela Paramount

HomeInternacional

Sony e Apollo preparam proposta de US$ 29 bilhões pela Paramount

A venda da Paramount Global para a Skydance Media pode sofrer uma reviravolta, com a entrada de novos interessados no negócio

A venda da Paramount Global para a Skydance Media, de David Ellison, pode sofrer uma reviravolta, com a entrada de novos interessados no negócio. Segundo fontes internas ouvidas pelo Investing.com, a Sony e a Apollo Global Management estão preparando uma proposta que promete ser muito mais vantajosa para os acionistas da empresa.

Com o prazo de negociações exclusivas de 30 dias entre a PARA e a Skydance prestes a expirar em 3 de maio, tanto analistas quanto insiders agora veem como provável que Shari Redstone, principal acionista do conglomerado de entretenimento, considere a oferta da dupla Sony/Apollo.

Relatos de 5ª feira (18.abr) indicam que a gigante japonesa pode se juntar ao antigo interessado Apollo para apresentar tal oferta, complicando ainda mais a situação do acordo atual.

David Katz, presidente e CIO (Chief Information Officer, em inglês) da Matrix Asset e notório acionista da PARA, comentou exclusivamente à Investing.com que a nova proposta seria “significativamente melhor para todos os acionistas da Paramount do que a atual, feita pela Skydance”.

O executivo estimou que a oferta poderia atingir até US$ 29 bilhões, destacando: “A Apollo havia feito uma proposta de US$ 26 bilhões que não foi explorada pelo conselho. Agora, com a Sony como parceira, eles possuem recursos para um acordo ainda mais vantajoso, que pode chegar a US$ 28 bilhões ou US$ 29 bilhões, caso o conselho convença os investidores do real valor dos ativos da empresa”.

Katz também falou sobre a importância de o conselho considerar seriamente a proposta, dada sua atração econômica superior. “Com a Sony envolvida, fica difícil para Shari Redstone ignorar essa oferta mais robusta, já que um comprador determinado como a Sony traz mais possibilidades para a mesa, inclusive para Shari”, afirmou.

O presidente e CIO da Matrix Asset concluiu enfatizando os benefícios além do financeiro: “Essa proposta não apenas fortaleceria economicamente a Paramount, mas também daria impulso para seu crescimento futuro, considerando a excelente gestão da Sony e da Apollo, ao contrário do que se observa na Skydance. O conselho precisa avaliar essa oferta imediatamente”.

O acordo pode fracassar mesmo sem o interesse da Sony

A possibilidade de fracasso no fechamento da proposta atual da Skydance está crescendo entre os acionistas significativos e o Conselho de Administração da Paramount, causando intensas discussões.

Com o líder do renomado investidor Mario Gabelli, da Ariel Investment, e da Matrix Asset Holdings, esses acionistas alegam que o acordo favorece só a presidente não-executiva da Paramount, Shari Redstone, prejudicando os demais acionistas, especialmente aqueles sem direito a voto, por conta da diluição de suas participações.

“O acordo proposto com a Skydance carrega alto risco de litígio e já apresentava desafios de execução devido a conflitos internos, mesmo antes de qualquer interesse externo”, disse Christopher Marangi, co-CIO da Gabelli Funds, em uma entrevista exclusiva para o Investing.com.

Jordan Posner, diretor-gerente da Matrix Asset, compartilhou suas preocupações com a Investing.com. Segundo ele, “a senhora Redstone opera com base no que ela considera ser o melhor para si, influenciada por sua própria situação financeira, e ignora completamente os efeitos dessa abordagem nos outros acionistas. Para maximizar seu próprio valor, ela não hesita em adotar medidas que diluem significativamente a participação dos outros acionistas”.

A rejeição à proposta vigente foi tão imediata que já provocou a renúncia de 4 membros do Conselho de Administração da Paramount, incluindo 3 que faziam parte do comitê de 8 integrantes responsável por avaliar a fusão potencial com a Skydance.

“Quatro desistências no conselho representam uma clara rejeição ao acordo com a Skydance”, disse Vijay Marolia, cofundador da Cash Square.

Phil Alberstat, diretor gerente da Embarc Advisors, sugere que, apesar das adversidades, o negócio com a Skydance ainda poderia avançar por meio de aquisições. “A National Amusements poderia decidir vender suas ações, total ou parcialmente, a um 3º, como a Skydance, transferindo assim o controle da Paramount”, disse.

Existem outros interessados?

Apesar das negociações avançadas, o co-CIO da Gabelli expressa confiança na capacidade da Paramount de se recuperar independentemente, se necessário. “Não estamos presos à ideia de uma venda. Prosseguir como uma entidade independente com um plano de transformação acelerado provavelmente gerará um benefício econômico maior para todos os acionistas no futuro“, acrescentou, mencionando ainda que não seria surpresa o surgimento de interesse de outros compradores estratégicos e financeiros pela Paramount.

Alberstat, da Embarc Advisors, também acredita que, caso a Skydance não consiga finalizar o negócio, é provável que outro interessado apareça. “Existem potenciais licitantes aguardando para ver se a Skydance conseguirá fechar o negócio durante o período exclusivo de negociação de 30 dias”, disse.

Vijay Marolia sugere que investidores renomados como Bill Ackman ou Daniel Loeb poderiam surgir como salvadores em qualquer momento.

David Katz, da Matrix Advisors, afirma que grandes empresas de tecnologia interessadas no setor de entretenimento estão atentas ao processo. “Um processo de venda completo e transparente deveria ser realizado para atrair interesse de todos os licitantes em potencial, sem excluir ninguém por preconcepções sobre possíveis objeções regulatórias, que podem ser resolvidas. Isso inclui gigantes da tecnologia como Apple, Amazon e Alphabet, além de outros provedores de streaming”, concluiu Katz.


Com informações da Investing Brasil.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS